Mais saúde no modelo home office: 5 dicas para garantir um ambiente mais saudável e produtivo

Mulher sorrindo trabalhando de casa com suas filhas sentadas atrás

06 de outubro, 2022

Mulher sorrindo trabalhando de casa

Saúde no modelo home office: veja como sua empresa pode promover o bem-estar, reduzir custos e aumentar a produtividade

No começo da pandemia, há mais de 2 anos, milhares de empresas correram para alterar seus esquemas de trabalho. Com isso, as atividades remotas se tornaram prioridade. Mesmo com o arrefecimento da emergência sanitária, muitos negócios decidiram por manter a organização dos seus fluxos produtivos em regimes baseados no trabalho a distância. Com essa escolha, é indispensável fortalecer as preocupações com a saúde no modelo home office.

Diante dessa tarefa, quem está à frente da gestão de recursos humanos de um negócio precisa atuar para tornar esse modo de organização do trabalho mais saudável e equilibrado, garantindo uma maior produtividade e um maior controle nos custos com saúde.

Como o home office pode afetar a saúde dos colaboradores?

Embora a manutenção de regimes de trabalho remoto (ou híbridos) seja uma tendência no pós-pandemia, é preciso sempre levar em conta os impactos para a saúde dos colaboradores desse modelo. Mesmo que a resposta a tal dinâmica tenha um caráter individual, vale sempre considerar os aspectos mais sensíveis do gerenciamento do bem-estar de todos os envolvidos.

É natural, por exemplo, que haja um reforço em questões relativas à saúde mental, que podem ser impactadas pela sobrecarga de trabalho (aliado ou não às tarefas domésticas e aos cuidados dos filhos) e a negligência da necessidade do descanso adequado.

A ideia de trabalhar de casa ainda pode contribuir para hábitos que também são nocivos à saúde física, que vão desde o sedentarismo a posturas inadequadas durante a rotina, passando por alimentação desequilibrada ou jornadas extenuantes.

Todo esse conjunto colabora para o desenvolvimento e o agravamento de uma série de condições que prejudicam o bem-estar físico e mental dos colaboradores, reduzem sua capacidade de desempenhar de forma satisfatória suas atividades e impactam na sua qualidade de vida.

Para as empresas, isso diminui o engajamento, gera perda da produtividade e impacta nos custos com saúde e em outros indicadores, como o absenteísmo, o presenteísmo e o turnover, dificultando a retenção de mão de obra qualificada.

Leia também: Por que vale a pena investir na saúde dos funcionários?

Como garantir um ambiente de trabalho remoto mais saudável?

Mulher trabalhando de casa e alongando

Preocupar-se com a saúde dos seus colaboradores que atuam à distância, não é apenas conhecer de que forma o trabalho remoto pode impactar no bem-estar de cada um deles. É preciso promover práticas saudáveis e ações para prevenir o surgimento de doenças que possam comprometer a qualidade de vida e, por consequência, o desempenho de cada profissional.

1. Observe a ergonomia

Para quem trabalha de casa, pode ser tentador desempenhar suas atividades na frente do computador de qualquer lugar: da cama ao sofá, todo espaço pode se transformar em escritório.

Isso, claro, é inadequado. Problemas de postura são causa de incômodos comuns, como dores nas costas, no ombro e no pescoço, além de favorecer os chamados Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Desse modo, atue na conscientização sobre a importância da ergonomia mesmo no home office, reforçando aspectos básicos desse tipo de cuidado, como a manutenção da posição do monitor e a utilização de uma cadeira adequada. Pausas periódicas para alongar os músculos e esticar as pernas também fazem toda a diferença, principalmente no longo prazo.

2. Mantenha a flexibilidade

A manutenção da flexibilidade em regimes híbridos ou totalmente remotos é um cuidado essencial para evitar a sobrecarga de trabalho, mas que muitas vezes acaba negligenciado pelas empresas. É importante sempre partir do princípio de que as relações de trabalho neste contexto devem ser pautadas pela confiança. Profissionais capacitados e responsáveis não trabalharão menos ou renderão aquém do esperado só por estar longe dos olhos dos seus superiores.

Essas relações de confiança devem prever, por exemplo, a flexibilidade necessária para substituir o horário da jornada de trabalho quando preciso ou mesmo deixar para trás a ideia de uma jornada com horários rígidos. Em todo o caso, é preciso reforçar o cuidado para que isso não transborde para a ideia de que o colaborador precise estar sempre disponível.

3. Fortaleça as conexões

A distância entre os membros de uma mesma equipe pode gerar uma sensação indesejada de isolamento, o que tem o potencial de ampliar sentimentos desconfortáveis que afetam o bem-estar do colaborador. Além disso, tal configuração pode prejudicar o espírito de equipe e afetar laços de empatia, solidariedade e compreensão entre colegas de trabalho que, afinal de contas, estão juntos (ainda que remotamente) em prol de um objetivo comum.

Para mudar isso, invista em atividades colaborativas que fortaleçam as conexões entre os membros da equipe, trabalhe para manter aberto canais de comunicação e estabeleça uma cultura onde feedbacks são sempre incentivados.

4. Se preocupe com a saúde mental

A pandemia, assim como suas consequências para a saúde e a economia, aumentou a prevalência de problemas de saúde mental. De acordo com números da Organização Mundial de Saúde, quadros de depressão e ansiedade aumentaram cerca de 25% em todo o mundo nesse período. Como não poderia deixar de ser, isso se refletiu no ambiente de trabalho, que vê cada vez mais problemas de natureza psíquica como causas de afastamentos.

Logo, as empresas podem ter um papel essencial no enfrentamento desses transtornos: de um lado, promova campanhas e adote medidas internas para eliminar o estigma que ainda existe em torno do adoecimento mental. De outro, introduzir programas que garantam suporte psicológico e entender as demandas de cada perfil de profissional ajudam a tornar o ambiente mais acolhedor.

5. Acompanhe as doenças crônicas

As chamadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) não desaparecem quando o colaborador trabalha de casa. Pelo contrário: por alguns dos motivos que já ressaltamos (sedentarismo e má alimentação, por exemplo), são maiores as chances que quadros como diabetes e hipertensão arterial surjam ou apresentem complicações que, em muitos casos, são graves.

Aqui, mais uma vez, a preocupação passa pela integração de diferentes medidas. Uma das primeiras envolve promover hábitos que permitam prevenir e controlar tais distúrbios, incentivando a prática de atividades físicas e a adoção de uma dieta equilibrada, por exemplo.

Em paralelo, é indispensável investir no acompanhamento contínuo desses pacientes crônicos já diagnosticados, otimizando a adesão aos tratamentos e aprimorando toda a jornada de cuidados.

Com isso, é possível prevenir complicações e reduzir a sinistralidade dos serviços de saúde oferecidos, além de obter ganhos significativos de satisfação, qualidade de vida e bem-estar, sem falar na elevação da produtividade e na redução do absenteísmo. Nessa missão, a tecnologia é uma aliada fundamental, como o trabalho da Axenya junto aos seus parceiros mostra.

Em um contexto onde a maioria das empresas experimenta um aumento nos custos dos planos que garantem atendimento médico, focar esforços na saúde no modelo home-office é excelente sob qualquer perspectiva analisada. Acima de tudo, tal opção reforça uma posição cada vez mais exigida dos negócios que é, antes de tudo, cuidar das pessoas que tornam possível todo o trabalho desenvolvido.

Saiba como o acompanhamento contínuo das doenças crônicas afeta a adesão ao tratamento.


>>>REFERÊNCIAS:

Dicas para o seu RH promover a saúde e o bem-estar no trabalho
https://www.mundorh.com.br/dicas-para-o-seu-rh-promover-a-saude-e-o-bem-estar-no-trabalho/

Pandemia de COVID-19 desencadeia aumento de 25% na prevalência de ansiedade e depressão em todo o mundo
https://www.paho.org/pt/noticias/2-3-2022-pandemia-covid-19-desencadeia-aumento-25-na-prevalencia-ansiedade-e-depressao-em

Estudos relacionam problemas de saúde físicos e mentais com o home office | CNN Brasil..
https://www.cnnbrasil.com.br/saude/estudos-relacionam-problemas-de-saude-fisicos-e-mentais-com-o-home-office/

Home office compromete saúde mental do trabalhador
https://sites.usp.br/psicousp/home-office-compromete-saude-mental-do-trabalhador/

Maioria das empresas viu aumento no custo dos planos de saúde após covid – Canaltech..
https://canaltech.com.br/negocios/maioria-das-empresas-viu-aumento-no-custo-dos-planos-de-saude-apos-covid-220018/

Mulher sorrindo trabalhando de casa com suas filhas sentadas atrás

Axenya e HealthCO se juntam para criar um ecossistema de saúde corporativa digitalmente aumentado, fornecendo e gerindo planos de saúde de forma digitalizada e protegendo a saúde do colaborador, de ponta a ponta, durante toda a jornada de cuidado.