Como desenvolver inteligência emocional? 5 dicas práticas para aprimorar essa competência

Duas mulheres sentadas analisando documentos

14 de setembro, 2022

Duas mulheres, analisando documentos

Tão importante quanto ter uma formação específica ou demonstrar determinado conhecimento técnico, os aspectos comportamentais e emocionais se evidenciam no ambiente de trabalho, nos relacionamentos e em todos os âmbitos da vida nos quais é preciso conviver com pessoas que pensam e têm opiniões diferentes acerca de tudo o que nos rodeia.

Desse modo, entender o que é e como desenvolver a inteligência emocional pode trazer progressos significativos na maneira como isso repercute na forma de lidar com sentimentos e emoções que são comuns a todos nós em algum momento da vida.

Afinal, o que define a inteligência emocional?

Embora existam várias abordagens sobre o assunto, é possível definir a inteligência emocional de forma sucinta: ela é o conjunto de habilidades que permitem a uma pessoa reconhecer e lidar com suas emoções e para estruturar melhor este conceito, é possível descrever 5 pilares básicos dessa habilidade de reconhecer e lidar com as próprias emoções.

  • Autocontrole, que se refere à capacidade de canalizar sentimentos e sensações para não deixar que eles prejudiquem o desempenho e a qualidade de vida;
  • Autopercepção, que passa por compreender e saber se expressar sobre o que está pensando e sentindo;
  • Automotivação, que envolve a capacidade de assumir responsabilidades, tomar decisões e reconhecer erros;
  • Empatia, que passa não necessariamente por se colocar no lugar do outro, mas sim em ser capaz reconhecer as emoções dos demais para entender determinados comportamentos;
  • Relacionamentos interpessoais, que permite manter relações saudáveis por meio da boa comunicação e de trocas mútuas, trabalhando em equipe de forma eficiente e manejando conflitos da melhor forma possível.

Qual a importância da inteligência emocional?

Diante de uma rotina cada vez mais complexa, e muitas vezes caótica, é fácil se sentir perdido e sobrecarregado. E isso, claro, afeta não apenas a o rendimento no dia a dia de trabalho, como também prejudica a qualidade de vida e, em última instância, pode desencadear problemas de saúde mental.

Em paralelo, quem consegue reconhecer e lidar com as próprias emoções torna-se uma pessoa mais sociável, capaz de trabalhar melhor em equipe e com maior capacidade de resolver problemas, mesmo que diante de condições aquém do ideal, como diante de cenários de alta pressão ou em meio a conflitos.

De acordo com dados da consultoria CapGemini, no relatório Emotional Intelligence: The Essential Skillset For The Age Of AI, em um universo de 750 executivos entrevistados em países da Europa e nos Estados Unidos, 74% deles acreditavam que a inteligência emocional era um atributo essencial. Já entre um grupo de 1500 empregados fora de cargos de supervisão entrevistados, essa mesma soft skill era considerada essencial por 58% deles.

5 melhores estratégias para desenvolver inteligência emocional

Conversando e sorrindo com outra pessoa

Como qualquer outra habilidade, é claro que a inteligência emocional pode ser fortalecida. Isso não significa que há uma receita mágica que permita ser uma pessoa mais capaz de lidar com as emoções de um dia para o outro. Todavia, com algumas das estratégias abaixo, além de disciplina e foco, é possível alcançar o progresso desejado.

1.Observe o próprio comportamento

Para progredir em relação a maneira como você lida com as emoções, o primeiro passo envolve compreender como cada uma delas afeta a forma como você se sente. Avalie, por exemplo, quais foram as reações mentais e corporais em relação a determinada sensação, não importa se boa ou ruim. Sempre que possível, tente mapear como tal processo se desenrolou e veja como cada um desses “gatilhos” repercute no seu bem-estar com o passar do tempo.

2.Trabalhe emoções negativas

É inevitável ter que lidar com emoções negativas. Por isso, para fortalecer emoções negativas é essencial saber como fazer isso sem que tais sentimentos imobilizem qualquer atitude. Ficar triste ou nervoso com algo ruim é perfeitamente natural, mas em muitos casos, isso pode desencadear situações em que não controlamos mais nosso humor. Ficar atento às sensações ruins também pode ajudar a saber se é a hora de procurar um profissional para ajudá-lo a trabalhar esses sentimentos.

3.Encontre formas de se expressar sempre que necessário

Saber expressar os sentimentos é um dos pilares da inteligência emocional. Nesse sentido, reprimir o que está passando pela cabeça pode tornar mais difícil contornar problemas ou evitar mal-entendidos, por exemplo. É claro que esse tipo de situação exige tato e empatia, mas trabalhar na base do diálogo costuma ser a maneira madura e civilizada de equacionar questões em aberto.

4.Conheça seus limites

Parte de qualquer processo de autoconhecimento é saber a hora de parar. Ou seja, é essencial conhecer e impor a si mesmo determinados limites. E essa barreira pode ser imposta em diferentes contextos: desde o desprendimento da ideia de perfeição em todos os aspectos da vida até a capacidade de perdoar ou reconhecer as próprias fraquezas. Nenhuma fragilidade deve ser encarada como um problema e compreender é uma forma fundamental de respeito com si próprio.

5.Fortaleça práticas de autocuidado

Ter cuidado com todos os aspectos da própria saúde também é uma forma de fortalecer a inteligência emocional. Por isso, faça o possível para incluir no seu dia a dia o maior número possível de práticas de autocuidado. Elas não precisam ser de forma alguma hábitos complexos e exigentes.

Na maioria dos casos, dormir bem, manter uma alimentação adequada, praticar exercícios físicos com regularidade e manter períodos adequados de lazer e descanso com amigos e familiares já faz toda a diferença. Além disso, procurar profissionais para cuidar da saúde do corpo e da mente também é fundamental, sempre que necessário.

Vislumbrar como desenvolver a inteligência emocional e colocar em prática essa nova habilidade pode ser determinante para alcançar objetivos profissionais e pessoais. Assim, como tudo na vida, é importante dar o primeiro passo o quanto antes e manter a constância em busca do progresso almejado, para ser um profissional e, sobretudo, uma pessoa melhor.

Reconhecer falhas, medos e anseios e exercitar a empatia são alguns dos aspectos que estão na base da inteligência emocional

Aproveite e veja porque vale a pena investir na saúde dos funcionários.


REFERÊNCIAS:

Emotional intelligence– the essential skillset for the age of AI
https://www.capgemini.com/gb-en/wp-content/uploads/sites/3/2019/10/Digital-Report-%E2%80%93-Emotional-Intelligence.pdf

Teste de inteligência emocional: saiba o que é e descubra o seu nível
https://rockcontent.com/br/blog/teste-de-inteligencia-emocional/

Improving Emotional Intelligence,
https://www.helpguide.org/articles/mental-health/emotional-intelligence-eq.htm

10 princípios psicológicos para desenvolver sua inteligência emocional
https://blog.psicologiaviva.com.br/inteligencia-emocional/

Duas mulheres sentadas analisando documentos

Axenya e HealthCO se juntam para criar um ecossistema de saúde corporativa digitalmente aumentado, fornecendo e gerindo planos de saúde de forma digitalizada e protegendo a saúde do colaborador, de ponta a ponta, durante toda a jornada de cuidado.