Como viabilizar o acompanhamento de pacientes com doenças crônicas?

Paciente homem com doença crônica deitado em cama

27 de junho, 2022

Paciente com doença crônica acamado

Saiba como as terapias digitais ajudam no cuidado de pacientes crônicos e contribuem para a prevenção de complicações

Os números reforçam a preocupação com o acompanhamento de pacientes com doenças crônicas. Só em 2019, 730 mil pessoas morreram no Brasil em decorrência das chamadas Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT). Desse total, 41% morreram de forma prematura (aproximadamente 300 mil pessoas). Com isso, ao todo, naquele ano, 54% dos óbitos registrados foram causados pelas consequências de enfermidades crônicas.

Ou seja, o problema é grande. Por isso, fortalecer a forma como esses pacientes recebem atenção é fundamental para mitigar os desdobramentos causados pelas doenças crônicas, bem como para garantir uma maior qualidade de vida a essas pessoas. Felizmente, várias estratégias e soluções podem ser empregadas para alcançar esse objetivo.

A importância do acompanhamento de pacientes com doenças crônicas

Doenças crônicas englobam um conjunto de condições caracterizadas por sua progressão gradual, muitas vezes silenciosa, com causas variadas e de prognóstico geralmente incerto no longo prazo. Entre as enfermidades crônicas mais comuns estão as doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias e diabetes.

Essas doenças crônicas exigem uma série de intervenções pensadas de forma integral. Com isso, elas incluem terapias farmacológicas e mudanças nos hábitos de vida, incluindo principalmente alterações na dieta e a prática de exercícios físicos de maneira regular. Ademais, é preciso garantir o acesso constante a profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros.

Em todo o caso, é importante que as recomendações sejam seguidas com disciplina, mesmo nos períodos em que a doença pareça controlada e não manifeste nenhum sintoma. Não é raro que a adesão ao tratamento caia nos momentos em que a enfermidade está adormecida, elevando a chance de complicações.

Os principais benefícios desse acompanhamento

Por falar em complicações, as doenças crônicas estão relacionadas a um grande número de morbidades. E isso só aumenta quando o acompanhamento adequado não é feito da forma esperada.

Assim, doenças crônicas se tornam responsáveis por um grande volume de internações, além de causar uma série de ocorrências devido a complicações oriundas do descontrole do quadro.

Entretanto, não é apenas para o indivíduo que precisa lidar com os problemas ocasionados pelas doenças como um todo que isso é problemático. A sociedade e os sistemas de saúde como um todo precisam arcar com os custos diretos e indiretos da falta de tratamento apropriado para essas doenças.

Essas enfermidades costumam aparecer no topo da lista de maiores despesas de sistemas público e privado de saúde. Além disso, elas prejudicam a produtividade reduzindo a população economicamente ativa e elevam indicadores de absenteísmo e presenteísmo.

Leia mais: Quais os custos das doenças crônicas para os sistemas de saúde?

O papel das terapias digitais nesse contexto

Computador com relatório de índice glicêmico

Em tal cenário, novas soluções que ampliam a adesão ao tratamento e facilitam o controle dos indicadores da doença são bem-vindas. E esse é justamente o objetivo das terapias digitais (DTx).

As chamadas terapias digitais disponibilizam aos pacientes intervenções terapêuticas a partir de softwares de alta qualidade desenvolvidos para tratar, gerenciar ou prevenir uma doença ou distúrbio. Tudo isso é feito com o respaldo de estudos clínicos que confirmam a eficácia e a segurança desses produtos.

Diante disso, as terapias digitais podem ser utilizadas de maneira independente ou combinadas com medicamentos, dispositivos médicos ou quaisquer outras formas de terapia, ampliando a chance de bons resultados.

Para pessoas com diabetes, por exemplo, as terapias digitais podem fortalecer o acompanhamento adequado por meio da constante medição do nível glicêmico e do envio dessas informações para profissionais de saúde que acompanham o quadro do paciente. Com isso, é possível acompanhar a evolução das doenças e ajustar a conduta adotada.

Tudo isso favorece a mudança de hábitos e ajuda na promoção de uma maior qualidade de vida. Portanto, para quem gere e financia sistema de saúde, isso se reflete em menores custos decorrentes das complicações de doenças crônicas, o que faz com que todos obtenham benefícios.

Logo, o acompanhamento de pacientes crônicos, ainda que represente um desafio, tem muito a ganhar com uma série de tecnologias. Elas reduzirão o impacto dessas enfermidades sobre a qualidade de vida e sobre a sociedade como um todo.

Aproveite e saiba agora quais os efeitos das terapias digitais em pacientes com diabetes.


>>>REFERÊNCIAS:

Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasilia, 2013. Disponível em: Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias (saude.gov.br).

Paciente homem com doença crônica deitado em cama

Axenya e HealthCO se juntam para criar um ecossistema de saúde corporativa digitalmente aumentado, fornecendo e gerindo planos de saúde de forma digitalizada e protegendo a saúde do colaborador, de ponta a ponta, durante toda a jornada de cuidado.